O PROJETO

Toda vez que volto de uma viagem, sinto que não aproveito a cidade onde nasci e cresci e hoje vivo. Há tantos museus (vou em tão poucos), há tantos cafés (frequento sempre os mesmos), há tantos lugares ainda inabitados por mim (e sempre estou nos mesmos lugares). Não preciso ir longe, na verdade, basta visitar algum bairro que pouco vou que já sinto um frio em minha barriga e um sentimento de “uma vida que poderia ter sido e que não foi”.

Volto das viagens e sinto uma necessidade de desbravar São Paulo. A cidade é gigante, há infindas possibilidade de ser nessa terra. São Paulo tem 11 milhões de habitantes, que se amontoam em 1.530 quilômetros quadrados. Muita gente, é verdade, mas que infelizmente não veem o que acontece ao redor – ou não querem ver. É isso que sinto. Não há tempo na cidade, faltam horas para olhar para o lado. Cadê a cidade? Sinto sempre isso, assim como me sinto uma necessidade gigante de conhecer mais a cidade, quando volto da viagens. São Paulo é feia (será mesmo?), São Paulo é concreta (será mesmo?), São Paulo é tudo e é nada (será?).

O projeto (inicialmente de faculdade) é uma grande mistura de referências e desejos, assim como essa cidade. Uma de suas raízes é o livro A vida que ninguém vê, escrito pela excelente jornalista Eliane Brum. Um livro-reportagem sobre vidas que ninguém enxerga – um de meus favoritos, diga-se de passagem. Junte a isso uma grande paixão por crônicas, esse estilo que caminha pelas cidades, e por arquitetura (onde ando olho a cidade, penso a cidade, vivo a cidade). Para colocar uma cereja nessa mistura (e para criar coragem), assisti ao filme Julie and Julia – talvez menos glamoroso, mas é a verdade. Assim que vi que, também, precisava de coragem, resolvi colocar o projeto em prática: mostrar as outras São Paulos que existem além de nossos olhos. Às vezes há São Paulos óbvias – que vemos todos os dias. Mas é preciso trazê-la com um novo olhar. A última cartada desse projeto chama-se Gay Talese e seu livro Fama e Anonimato. O jornalista americano, mostrou Nova Iorque com olhos detalhistas e precisos, que fazem qualquer um se encantar pela cidade. Não que eu queira me igualar ou me comparar a um Gay Talese, mas ele serve como profunda inspiração. Por que Nova Iorque é sensacional e São Paulo não? Por que Paris é encantadora e São Paulo não? Por que Londres é incrível e São Paulo não? Qual a essência de São Paulo?

A partir de tudo isso surgiu o projeto SÃO outros PAULOS. A cada semana, novos textos,  perfis de paulistanos, histórias da cidade, dicas de programas desconhecidos, lugares pouco visitados ou vistos com olhos viciados. Quero ver a cidade. Você também quer?

Lucas Rossi

Twitter: @SAOoutrosPAULOS
Facebook: SÃOoutrosPAULOS
E-mail: saooutrospaulos@gmail.com

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: